sexta-feira, 19 de agosto de 2016

(Devocional) Aquele que julga estar em pé - Lm. 1:1-11


Sexta-feira, 19 de Agosto de 2016
Leitura Bíblica Diária: Lamentações 1-55
Aquele que julga estar em pé

“Como se acha solitária aquela cidade, dantes tão populosa! tornou-se como viúva; a que foi grande entre as nações, e princesa entre as províncias, tornou-se tributária! Contìnuamente chora de noite, e as suas lágrimas correm pelas suas faces; não tem quem a console, entre todos os seus amadores: todos os seus amigos se houveram aleivosamente com ela, tornaram-se seus inimigos. Judá passou em cativeiro, por causa da aflição, e por causa da grandeza da sua servidão: habita entre as nações, não acha descanso: todos os seus perseguidores a surpreenderam nas suas angústias. Os caminhos de Sião pranteiam, porque não há quem venha à reunião solene; todas as suas portas estão desoladas; os seus sacerdotes suspiram: as suas virgens estão tristes, e ela mesma tem amargura. Os seus adversários a dominaram, os seus inimigos prosperam; porque o Senhor a entristeceu, por causa da multidão das suas prevaricações: os seus filhinhos vão em cativeiro, na frente do adversário. E, da filha de Sião, foi-se toda a sua glória: os seus príncipes ficaram sendo como veados que não acham pasto e caminham sem força na frente do perseguidor. Lembra-se Jerusalém, nos dias da sua aflição e das suas rebeliões, de todas as suas mais queridas coisas, que tivera dos tempos antigos: quando caía o seu povo na mão do adversário, e ela não tinha quem a socorresse, os adversários a viram, e fizeram escárnio dos seus sábados. Jerusalém gravemente pecou, por isso, se fez instável: todos os que a honravam a desprezaram, porque viram a sua nudez; ela também suspirou e voltou para trás. A sua imundícia está nas suas saias, nunca se lembrou do seu fim: por isso, foi pasmosamente abatida, não tem consolador; vê, Senhor, a minha aflição, porque o inimigo se engrandece. Estendeu o adversário a sua mão a todas as coisas mais preciosas dela; pois viu entrar no seu santuário as nações, acerca das quais mandaste que não entrassem na tua congregação. Todo o seu povo anda suspirando, buscando o pão; deram as suas coisas mais preciosas a troco de mantimento, para refrescarem a alma; vê, Senhor, e contempla, pois me tornei desprezível.”
Lamentações 1:1-11


Entramos hoje no livro de Lamentações. Este livro é atribuído ao profeta Jeremias e partilha completamente da mensagem e estilo deste profeta que é chamado de “profeta chorão”. Lamentações chora acerca do estado a que chegou Israel e a sua capital Jerusalém. Apesar de ter sido avisado, e por variadas vezes, Israel prefere ignorar os avisos divinos e permanecer nos seus caminhos de desobediência e teimosia. Agora está a colher os frutos dos seus perversos caminhos. Esta tragédia nacional que se abateu sobre a nação escolhida de Deus não quer dizer que Deus Se esqueceu do Seu povo. Trata-se, isso sim, da repreensão amorosa de um Pai que quer trazer os Seus filhos de volta para Si mesmo. Ai de quem anda por maus caminhos sem nunca ser repreendido por Deus! Isso pode querer dizer que essa pessoa nunca pertenceu ao Pai. O rei Nabucodonosor invadiu o país, destruiu a capital e deportou um grande número dos seus cidadãos para muito longe da sua terra. Tudo isto acontece devido ao orgulho do coração de Israel. Agir sem pensar nas consequências (v. 9) é sinal de loucura e de pobreza espiritual. Israel estava tão convencido que o seu país e a sua maravilhosa capital iriam durar para sempre, que não se importaram em começar a cultuar os deuses falsos das nações vizinhas. Estavam tão certos que eram eles próprios que controlavam o seu destino que não se importaram de abandonar o Deus verdadeiro a Quem deviam tudo. Que Deus nos livre do mesmo.   rdo com as Suas condiçe de Deus, mas devem faz de fermento (smio 22:1-40-219

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

(Devocional) Quando a obediência é sacrifício - 1Sm. 16:1-5


Quinta-feira, 18 de Agosto de 2016
Leitura Bíblica Diária: I Samuel 16-205
Quando a obediência é sacrifício

“Então disse o Senhor a Samuel: Até quando terás dó de Saul, havendo-o eu rejeitado, para que não reine sobre Israel? enche o teu vaso de azeite, e vem; enviar-te-ei a Jessé o belemita; porque de entre os seus filhos me tenho provido de um rei. Porém disse Samuel: Como irei eu? pois, ouvindo-o Saul, me matará. Então disse o Senhor: Toma uma bezerra das vacas nas tuas mãos, e dize: Vim para sacrificar ao Senhor. E convidarás a Jessé ao sacrifício: e eu te farei saber o que hás-de fazer, e ungir-me-ás a quem eu te disser. Fez, pois, Samuel o que dissera o Senhor, e veio a Belém: então os anciãos da cidade saíram ao encontro, tremendo, e disseram: De paz é a tua vinda? E disse ele: É de paz; vim sacrificar ao Senhor; santificai-vos, e vinde comigo ao sacrifício. E santificou ele a Jessé e a seus filhos, e os convidou ao sacrifício.”
I Samuel 16:1-5


Samuel ainda tinha lealdade para com Saúl (v. 1). Apesar das oportunidades que teve de caminhar próximo de Deus, Saúl desobedeceu repetidamente. Para além disso, após cada trágico desvio, foi-lhe dada oportunidade de arrependimento. Saúl preferiu continuar nos seus caminhos de iniquidade do que escutar a voz de um Deus de amor. Por isso mesmo, Deus o tinha rejeitado e já tinha outro rei para o substituir, no seu devido tempo. Podemos esconder-nos de toda a gente, menos de Deus. Conhecendo o coração de Samuel, Deus reconhece que ele ainda tinha lealdade e esperança para com Saúl. O ensinamento é que, por vezes, precisamos de abrir mão de um sonho, de uma esperança, para abraçarmos a vontade de Deus. Assim, Deus dá a Samuel instruções para ir a Belém ungir o novo rei. No v. 2, Samuel esboça uma tentativa de desculpa. Talvez ele não tenha de ir a Belém. Talvez ainda haja esperança para Saúl. Ele nunca iria conseguir ir naquela missão. O rei iria desconfiar. Aprendemos, no entanto, que Deus já tinha pensado no assunto. Deus sempre nos dá tudo o que precisamos para obedecer. Assim sendo, mesmo sendo-lhe difícil, Samuel obedeceu ao Senhor (v. 4). Temos muito a aprender com o seu exemplo. Não devemos obedecer apenas quando gostamos do mandamento. A obediência de Samuel neste caso era, para ele, um sacrifício (v. 5). Quando assim é, temos uma grande oportunidade de oferecer o nosso sacrifício para a glória de Deus.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

(Devocional) Nas tuas mãos - Sl. 31:1-8


Quarta-feira, 17 de Agosto de 2016
Leitura Bíblica Diária: Salmos 31-355
Nas tuas mãos

“Em ti, Senhor, confio; nunca me deixes confundido: livra-me pela tua justiça. Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve. Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; pelo que, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me. Tira-me da rede que para mim esconderam, pois tu és a minha força. Nas tuas mãos encomendo o meu espírito: tu me remiste, Senhor, Deus da verdade. Aborreço aqueles que se entregam a vaidades enganosas; eu, porém, confio no Senhor. Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade, pois consideraste a minha aflição: conheceste a minha alma nas angústias. E não me entregaste nas mãos do inimigo: puseste os meus pés num lugar espaçoso.”
Salmo 31:1-8


David passou uma parte substancial da sua vida em grande aflição. Não é de espantar, portanto, que o conteúdo das orações que ele dirigiu ao Senhor nos seus momentos de maior incerteza possa ser encontrado nos salmos que ele escreveu. As lições que ele aprendeu no vale da sombra da morte foram transpostas para palavras que nem mesmo Cristo se envergonha de usar (Ele cita este salmo na cruz). Afinal, estas são as palavras Dele dadas através das experiências de vida do Seu servo David. Deus continua, ainda hoje a usar estas verdades para animar aqueles que são Dele. No meio das maiores dificuldades Deus quer ser para nós segurança, direcção, livramento, discernimento, sabedoria, salvação, alegria e vitória. Saiba que os filhos do Senhor podem depender da ajuda do Senhor. Passar por problemas é próprio da vida. Passar pelos problemas sem ajuda do alto é opcional e trágico. Quanto mais longe nos deixarmos afastar do Senhor, menos tendência teremos para exercer confiança e aceitar a Sua ajuda. Nos momentos de aflição, seguros nas mãos do Pai, aprendemos lições que são de grande valor para nós e para podermos ser usados por Ele para ajudar outros. 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

(Devocional) Lei e pecado - Rm. 7:7-14


Quarta-feira, 10 de Agosto de 2016
Leitura Bíblica Diária: Romanos 6-10
Lei e pecado

“Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum; mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, obrou em mim toda a concupiscência, porquanto, sem a lei, estava morto o pecado. E eu, nalgum tempo, vivia sem lei, mas, vindo o mandamento, reviveu o pecado, e eu morri; E o mandamento, que era para vida, achei eu que me era para morte. Porque o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, me enganou, e por ele me matou. E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom. Logo, tornou-se-me o bom em morte? De modo nenhum; mas o pecado, para que se mostrasse pecado, operou em mim a morte, pelo bem, a fim de que, pelo mandamento, o pecado se fizesse excessivamente maligno. Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.”
Romanos 7:7-14


Existe um relacionamento muito próximo entre a lei e o pecado e entre este e a morte. Entendamos a morte no seu sentido absoluto como separação entre o homem e o Deus que o criou. Porque estão relacionados, o apóstolo sente a necessidade de clarificar que não se tratam da mesma coisa. A lei revela o pecado, mas a lei, dada por Deus, não é pecado. Acreditar nisso é acusar Deus de ser o autor do nosso pecado. Pela lei eu tomo consciência da extensão do meu afastamento de Deus. Será que se não houvesse conhecimento da lei, não haveria morte em nós? Se isso é verdade, então a lei, dada por Deus, é a origem do nosso afastamento de Deus. Mas esta questão não se coloca. Apesar de todos sermos julgados pela lei de Deus, e de todos, nela, sermos declarados culpados, não é a lei a causa do nosso pecado. O pecado faz parte da natureza de todos os filhos de Adão. Ele já está presente. Quando confrontados com a lei perfeita de Deus, o pecado em nós reage violentamente. Isso é injusto? Não! Faz parte do plano amoroso de Deus para nos levar a Cristo. Ao colocar sob a luz potente da lei a nossa condição desesperada, o Criador dá-nos a oportunidade de corrermos para a solução. É impossível, portanto, que a lei seja injusta. Como pode ser mau aquilo que nos conduz a Cristo?

terça-feira, 9 de agosto de 2016

(Devocional) Preparar lugar para Deus - 1Sam. 7:1-2


Terça-feira, 9 de Agosto de 2016
Leitura Bíblica Diária: I Samuel 6-10
Preparar lugar para Deus

“Então vieram os homens de Quiriath-jearim, e levaram a arca do Senhor, e a trouxeram à casa de Abinadab, no outeiro; e consagraram a Eleazar, seu filho, para que guardasse a arca do Senhor. E sucedeu que, desde aquele dia, a arca ficou em Quiriath-jearim, e tantos dias se passaram que chegaram até vinte anos, e lamentava toda a casa de Israel após o Senhor.”
I Samuel 7:1-2


Esta passagem fala sobre pessoas que preparam as suas casas e os seus corações para receberem a presença de Deus. A Bíblia não nos apresenta uma religião, apresenta um relacionamento. Neste caso, depois dos filisteus se livrarem da arca, a mesma é acolhida por Abinadabe em sua própria casa. Apesar da infidelidade e desobediência, era com Israel que Deus queria habitar. Deus deseja um lugar na sua vida e no seu coração também. Não foi por acaso que eles bateram à porta de Abinadabe. Não só deixaram lá a arca, como nomearam Eleazar para ficar como responsável de tão importante tarefa. Talvez Eleazar não tivesse entendido porque foi ele o escolhido. Da mesma maneira, por vezes não entendemos porque é que certas coisas nos acontecem. Temos de entender que aquilo que passamos faz parte de um plano perfeito para as nossas vidas. Infelizmente, o povo de Israel não buscava a Deus. Sabemos isto porque durante 20 anos, a arca do Deus altíssimo foi esquecida naquele lugar temporário. Que conselhos de Deus estão esquecidos há muito na sua vida? O que mudou após aqueles 20 anos? Houve arrependimento (v. 2). O arrependimento é quando chegamos à conclusão que a direcção em que seguimos não é a correcta, confessamos isso a Deus e aceitamos a Sua ajuda para mudarmos de direcção. Você tem preparado o seu coração para seguir a Deus? Está pronto para O receber na sua vida e caminhar com Ele todos os dias? Arrependa-se e volte para o Senhor!